Ogum sentou praça na cavalaria

Oxalá convidou Emanuel e Jaci para jantar em sua casa. Olurum havia convidado Ogum para conversar sobre as mortes que estavam acontecendo nas comunidades pobres do Rio de Janeiro. Estava muito preocupado com o aumento do número de mortes envolvendo policiais em confronto com os moradores, além da fome e da covid que atingiam em proporções desiguais os grupos vulnerabilizados dessa camada populacional.

As pessoas gostavam das histórias de Ogum, o primeiro dos orixás a vir para a Terra. Gostavam quando ele contava de suas aventuras na floresta, como retirava das plantas o poder dos alimentos e até quando se metia a caçar pelas matas. Ficavam admirados com a arte que ele extraia do ferro, especialmente as armas que orgulhosamente portava. Mas, sobretudo, achavam imperdíveis as narrativas sobre as guerras que participou ou testemunhou.

Daí a ansiedade de Oxalá, Emanuel e Jaci enquanto aguardavam Ogum. Espera saciada quando um lindo cavalo branco apontou no horizonte, trazendo em sua sela o garboso convidado da noite.

–  Saravá, Ogum! – saudou Olurum.

–  Saravá, pai Olurum! Axé para todas e todos! – retribuiu Ogum, descendo do cavalo, para, em companhia dos presentes, ingressarem na casa.

–  Salve, Jorge! – cumprimentou Emanuel, usando o nome que em sua moradia chamava Ogum.

–  Ogum, meu querido! – iniciou Olurum, quando todos se sentaram em volta da enorme mesa posta no terreiro de sua moradia celestial. – Que bom que você veio.

–  E como não atender ao chamado do criador do Universo, o Senhor dos Céus? – sorriu Ogum. – A sua ordem é sempre uma ordem, ainda que em forma de pedido.

–  Não é ordem! É necessidade de me aconselhar com o meu orixá da política e da diplomacia – retribuiu Olurum. – Ando preocupado com algumas mensagens de Exu sobre as mais diversas formas de violência praticada contra nossos irmãos e nossas irmãs das comunidades cariocas. E a sua opinião é muito importante para todos nós. Jeová e Tupã prezam muito por seus conhecimentos.

–  A violência contra nossos irmãos não é novidade, Olurum – constatou Ogum. – O Brasil ainda não nos alforriou de sua mentalidade escravista. A cor da nossa pele ainda é alvo de exploração, agressão, preconceito e racismo, diariamente.

–  Todos nós sabemos disso. Sofremos esta violência insana em nossos cultos e terreiros – concordou Olurum. – Mas a preocupação de Exu decorre do aumento da violência praticada por policiais. Exatamente por aqueles que têm a função de proteger nossas comunidades.

–  E Exu tem razão! A violência policial e as mortes por balas perdidas têm aumentado muito, além da fome e do vírus mortal – assentiu Ogum. – E o pior é que conta com a indiferença ou o apoio de grande parte da população, que espalha que pobres e negros são bandidos.

–  Isso mesmo! – interveio Jaci. – Toda noite escuto essa ladainha, especialmente na casa das pessoas mais afortunadas: bandido bom é bandido morto.

– Dos gabinetes oficiais também – falou Emanuel. – E de vários templos.

–  É, eles acreditam que nunca serão alvejados por essas balas – reforçou Ogum. – Creem que as chamadas balas perdidas nunca encontrarão o caminho dos seus rostos.

–  Pouco adiantou termos ensinado a eles que não devemos julgar as pessoas pela aparência, mas sim pela reta justiça – acresceu Emanuel – A eles também foi dito que a paz de Deus está com os humildes e os simples de coração. Meu pai não ensinou que: “Bem-aventurados os humildes, pois eles receberão a terra por herança”.

– Está em Mateus 5:5, mas eles não aprendem nada do que dizemos – aquiesceu Ogum. – Talvez devamos declarar guerra contra os injustos. Xangô e Oxóssi nos ajudariam no julgamento de cada acusado, com execução imediata da pena. O que acha Olurum?

– Você quer antecipar o Juízo Final de que Jeová tanto fala? – gargalhou Oxalá, provocando uma risada coletiva. – Corremos o risco de sobrar poucos justos vivos.

– Boa, Oxalá! – retomou Olurum. – Você lembra da mensagem deixada por Buda quando nos visitou?

– Nem todas! – respondeu Oxalá ainda humorado. – Se tem uma coisa que Sidartinha gosta de fazer é citar belas frases.

– Ele disse: “Por mais que na batalha se vença um ou mais inimigos, a vitória sobre si mesmo é a maior de todas as vitórias” – socorreu Ogum. – Olurum ainda crê que devamos acreditar na pessoa humana.

– Você também acredita, não é Ogum? – perguntou Olurum. – Todos aqui acreditam que não devemos desistir da humanidade, não é?

– Claro! – responderam, uníssimos, todos os presentes.

– Exato! É para garantir a felicidade da sociedade que existe a espiritualidade e as nossas religiões – romantizou Jaci.

– Mas é uma guerra justa e espiritual que proponho – arrematou Ogum. – Exatamente por ela sentei praça na cavalaria.

– Como assim, Jorge? – indagou Emanuel, utilizando o outro nome de Ogum.

– A luta por Justiça exige coragem, ética, bondade, organização e sacrifício, não é Emanuel? – concluiu Ogum. – Esta é a minha imagem de uma cavalaria.  Ela representa que não se ganha uma batalha sozinho. É preciso o somatório de todas as forças, unidades, especializações e espiritualidades. Somente com a união de todas as religiões é que conseguiremos vencer a violência contra toda a irmandade. Unidos e esbanjando tolerância religiosa a vitória é certa. Devemos todas, todes e todos, portanto, sentarmos praça na Cavalaria da Justiça Universal.

Cezar Britto

Artigos relacionados

Francisco e Clara

Emanuel estava superfeliz naquele iluminado entardecer de sábado. Percebera, logo cedinho, que os passarinhos...

O tempo das máscaras caídas

– Èpa Bàbá! – cumprimentou alegremente Jaci, ao encontrar Oxalá em companhia de Oxum, que, carinhosamente, segurava um belo...

Caminhos da mediunidade

Como sempre fazia durante o período noturno em que a humanidade descansava, Jaci lera...

Iara pede ajuda

Jaci despertou aflita. Parecia que uma irritada tempestade forçava, barulhenta, o ingresso em sua...

O saber liberta

Oxalá e Jaci aguardavam, pacientemente, Emanuel no Jardim do Éden. Eles haviam combinado no...

A alegria

Oxalá estava na porta de um Espaço de Religião de Matriz Africana, quando, repentinamente,...

O poder da empatia

Jaci estava indignada com os fatos que testemunhara na noite anterior. Ela que iluminava...

As plantas curam

Jaci estava muito feliz naquela noite. Logo cedo ela recebera a visita de Ceuci,...

A esperança

Apesar da longa viagem, Muhammad não aparentava estar cansado. Ao contrário, queria contar as...

A visita de Muhammad

Emanuel estava atrasado em seu encontro diário com Jaci e Oxalá. Pontual, desta vez havia...

Os pais da humanidade

Jeová, Tupã e Olurum eram os pais de Emanuel, Jaci e Oxalá. Eles eram muito...

O amor pela humanidade

Emanuel, Jaci e Oxalá eram três amigos inseparáveis. Eles nasceram com vários dons, saberes...

Síndrome de jabuticaba

Certa vez, ao conceder uma entrevista a uma emissora nacional, perguntou-me o âncora do...

Deixe seu Comentário

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será exibido.




Topo/superior