Uma língua para a humanidade

Emanuel e Jaci entraram na casa de Olurum em silêncio. É que eles não queriam interromper o canto que Oxalá dedicava a seu pai. Sabiam que encontrariam o orixá amigo em êxtase naquele anoitecer de sexta-feira. Sempre é assim no dia da semana em que ele frequentava os terreiros que requeriam a sua presença divina.

Amava quando o terreiro – girando em roupas brancas ao som de atabaques e aderês – o saudava em cânticos coletivos: Èpa Bàbá! Não fora diferente naquela sexta-feira. Oxalá estava muito feliz, pois passara todo dia em um terreiro de candomblé na cidade baiana de Senhor do Bomfim. E assim os amigos encontraram Oxalá girando, dançando e cantando:

Oní Sáà wúre

Sáà wúr àṣẹ

Oní Sáà wúre o bẹ́ẹ̀ rí o mọ́

Oní Sáà wúre

Sáà wúr àṣẹ Bàbá

Oní Sáà wúre o bẹ́ẹ̀ rí o mọ́.

Eṣe e Bàbá; Èpà Bàbá!

Kíkí orin mímọ́ àwon Òrìṣà!

Axé!

– Èpa Bàbá! Oxalá é o rei desse congá! – aplaudiu Jaci, também cantarolando.

– Sejam bem-vindos, amigos! A casa é de vocês! – sorriu Oxalá. – Gostaram do cântico em louvor ao poder supremo de Olurum?

– A letra é da etnia Kétu, não é? – perguntou Emanuel.

– É sim, Emanuel – respondeu Oxalá, sorrindo. – A sua onisciência está afinadíssima. Conhece mesmo todas as línguas faladas no mundo.

– Está em Gênesis 1:3 e João 1:3 que no princípio veio o Verbo, pois tudo foi formado pela Palavra poderosa de Deus – disse, enigmático, Emanuel.

– Pena que os homens não mais falem a mesma língua, não é rapazes? – perguntou, reflexivamente, Jaci. – São quase sete mil línguas diferentes no mundo, algumas até em extinção. A comunicação é um instrumento tão importante para solucionar os problemas da humanidade e eles não conseguem se falar.

– Mas nem sempre foi assim, amiga! – conformou-se Emanuel. – Você mesma sabe que no livro do Gênesis 11:1-9 encontramos a afirmação de que todos os homens e mulheres já falaram uma língua comum e exclusiva.

– Verdade, amigo! – concordou Jaci. – É a história da Torre de Babel. Jeová castigou os homens com a multiplicação das línguas porque eles, ambiciosos e pretensiosos, queriam construir uma torre cujo topo penetrasse no céu.

– Lá na China dizem que a divisão da língua original fez com que o universo se desviasse do caminho certo – suspirou Oxalá. – E eles têm razão. Como a humanidade pode caminhar sem conversar entre si sobre os rumos a seguir?

– É mesmo uma questão complexa, Oxalá – refletiu Jaci. – Ao mesmo tempo que dificulta o diálogo, uma língua é também referência para um povo. Quando ela desaparece, desparace um pedaço da história, da cultura e da identidade desse povo.

– O meu povo africano sofre muito com essa dominação linguística colonizadora – concordou Oxalá. – Os europeus impuseram as suas respectivas línguas quando exploraram a África. As línguas nativas foram criminalizadas ou acusadas de incultas, obrigadas a sobreviver na clandestinidade.

– E eu não sinto isso na própria pele? – interrompeu Jaci. – Aqui a única língua oficial é a portuguesa, apesar de quase trezentas línguas nativas continuarem sendo faladas no Brasil.

–  Eu tenho muita esperança de que prolifere aquela ideia de uma língua internacional, neutra e que sirva de segunda língua falada de todos os povos – opinou Emanuel. – Assim teríamos um instrumento de diálogo que preserva todas as línguas, histórias e culturas do planeta.

–  Boa lembrança, Emanuel! – exclamou Jaci. – A ideia do Esperanto como língua que pertence a todos os povos e não às nações, é uma grande sacada.

–   Imaginem como seria fantástico para a humanidade poder escutar as vozes dos povos nativos que têm sido massacrados ao longo do tempo – reforçou Oxalá. – E aprender com as suas experiências, histórias e vinculações com as coisas da natureza.

–   A virtude do Esperanto é inquestionável – ratificou Emanuel. – Mas uma virtude que tem atraído os velhos inimigos que no passado construíram a Torre de Babel.

–   Verdade! Os que só escutam as vozes arrogantes que são afinadas com as suas próprias mediocridades – lembrou Oxalá. – Exú tem se queixado muito de que esses transloucados se recusam a ouvir a voz da solidariedade, o grito de dor que consome o seu vizinho, a berro da fome que a ganância causou ou o brado dos que denunciam a desigualdade estrutural.

–  Exato, Oxalá! – concluiu Emanuel. – Eles estão construindo uma nova Torre de Babel, agora para cultuar o Ouro devorador da língua falada com o coração.

–  O culto à arrogância, à vaidade e à presunção dos que se julgam superiores a outros – arrematou Oxalá. – Estes seguem querendo impor a sua língua aos demais como se fosse um reconhecimento à sua superioridade econômica, social, cultural e racial.

–  E não é por falta de comunicação nossa – constatou Emanuel. – Meu Pai inclusive já disse a eles que “não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes”.

–  Não foi em Salmos que se disse: “Põe, ó Senhor, uma guarda à minha boca; guarda a porta dos meus lábios” – complementou Jaci, acostumada com os textos cristãos. – Acho que chegou a hora calar essas vozes desumanas e não espiritualizas.

Cezar Britto

Artigos relacionados

Caminhos da mediunidade

Como sempre fazia durante o período noturno em que a humanidade descansava, Jaci lera...

Iara pede ajuda

Jaci despertou aflita. Parecia que uma irritada tempestade forçava, barulhenta, o ingresso em sua...

O saber liberta

Oxalá e Jaci aguardavam, pacientemente, Emanuel no Jardim do Éden. Eles haviam combinado no...

A alegria

Oxalá estava na porta de um Espaço de Religião de Matriz Africana, quando, repentinamente,...

O poder da empatia

Jaci estava indignada com os fatos que testemunhara na noite anterior. Ela que iluminava...

As plantas curam

Jaci estava muito feliz naquela noite. Logo cedo ela recebera a visita de Ceuci,...

A esperança

Apesar da longa viagem, Muhammad não aparentava estar cansado. Ao contrário, queria contar as...

A visita de Muhammad

Emanuel estava atrasado em seu encontro diário com Jaci e Oxalá. Pontual, desta vez havia...

Os pais da humanidade

Jeová, Tupã e Olurum eram os pais de Emanuel, Jaci e Oxalá. Eles eram muito...

O amor pela humanidade

Emanuel, Jaci e Oxalá eram três amigos inseparáveis. Eles nasceram com vários dons, saberes...

Síndrome de jabuticaba

Certa vez, ao conceder uma entrevista a uma emissora nacional, perguntou-me o âncora do...

Deixe seu Comentário

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será exibido.




Topo/superior